Pesquisadores confirmam que há gelo nos pólos da Lua - Aventuras no Conhecimento

Últimas

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

Pesquisadores confirmam que há gelo nos pólos da Lua

A imagem mostra a distribuição do gelo na superfície do pólo sul da Lua (à esquerda) e do pólo norte (à direita), detectado pelo instrumento Moon Mineralogy Mapper da NASA. O azul representa os locais com gelo, plotados sobre uma imagem da superfície lunar, onde a escala de cinza corresponde à temperatura da superfície (mais escuro representando áreas mais frias e tons mais claros indicando zonas mais quentes). O gelo está concentrado nos locais mais escuros e mais frios, nas sombras das crateras. Esta é a primeira vez que os cientistas observaram diretamente evidências definitivas de gelo de água na superfície da Lua. Créditos: NASA

Nas partes mais escuras e mais frias de suas regiões polares, uma equipe de cientistas observou diretamente evidências definitivas de gelo na superfície da Lua. Esses depósitos de gelo são distribuídos de forma irregular e podem ser antigos. No pólo sul, a maior parte do gelo está concentrada nas crateras lunares, enquanto o gelo do pólo norte é mais amplamente distribuído.

Uma equipe de cientistas, liderada por Shuai Li da Universidade do Havaí e da Universidade Brown , incluindo Richard Elphic do Centro de Pesquisa Ames da NASA no Vale do Silício da Califórnia, usou dados do instrumento Moon Mineralogy Mapper (M3) da NASA para identificar três assinaturas específicas que definitivamente comprovam que há gelo na superfície da Lua.

O M3, a bordo da espaçonave Chandrayaan-1, lançada em 2008 pela Organização de Pesquisa Espacial Indiana, foi equipado de maneira única para confirmar a presença de gelo sólido na Lua. Ele coletou dados que não apenas captavam as propriedades refletivas que esperávamos do gelo, mas também mediam diretamente a maneira distinta como suas moléculas absorvem a luz infravermelha, de modo que ele pode diferenciar entre água líquida ou vapor e gelo sólido.

A maior parte do gelo recém-descoberto encontra-se nas sombras das crateras perto dos pólos, onde as temperaturas mais quentes nunca atingem temperaturas acima de -250 graus Fahrenheit. Por causa da inclinação muito pequena do eixo de rotação da Lua, a luz solar nunca atinge essas regiões.

Observações prévias indiretamente encontraram possíveis sinais de gelo superficial no pólo sul lunar, mas estes poderiam ter sido explicados por outros fenômenos, como um solo lunar raramente reflexivo.

Com gelo suficiente sob a superfície - apenas poucos poucos milímetros - a água poderia ser acessada como um recurso para futuras expedições para explorar e até permanecer na Lua, e potencialmente mais fácil de acessar do que a água detectada abaixo da superfície da Lua .

Aprender mais sobre esse gelo, como ele chegou lá e como ele interage com o ambiente lunar será um dos próximos focos da NASA e parceiros comerciais, à medida que se esforçam para retornar e explorar nosso vizinho mais próximo, a Lua.