sexta-feira, 29 de março de 2019

Pesquisadores criam células fotossintéticas artificiais que produzem energia para a síntese de proteínas


Pesquisadores da Universidade de Tóquio conseguiram criar células artificiais que produzem sua própria energia através da fotossíntese.

A capacidade de produzir sua própria energia química e sintetizar partes de sua própria construção torna as células artificiais muito semelhantes às células biológicas reais que podem, na verdade, construir e organizar seus próprios blocos de construção naturalmente. 

Para conseguirem criar as células artificiais para produzir energia a partir da fotossíntese, processo utilizado pelas plantas e alguns outros organismos que envolve o aproveitamento da energia do sol, os pesquisadores combinaram várias estruturas biológicas em uma célula, contendo essencialmente duas proteínas chamadas bacteriorodopsina e ATP sintase. A ATP sintase é uma enzima que produz energia na forma de uma molécula chamada adenosina trifosfato (ATP). Enquanto isso, bacteriorhodopsin colhe energia da luz solar para impulsionar este processo.

A energia produzida pelas proteínas foi então usada pelas células em dois processos chamados transcrição e tradução, que envolvem a produção de mRNA do DNA e, em seguida, a proteína do mRNA. O mRNA, também conhecido como RNA mensageiro, é um subtipo de RNA, uma molécula que carrega as instruções para sintetizar proteínas. As células artificiais foram capazes de usar a energia que tinham colhido para criar ainda mais ATP sintase e bacteriorodopsina, aumentando ainda mais a sua atividade.

O sistema artificial de células fotossintéticas abre o caminho para a construção de uma célula artificial energeticamente independente e permitir com que os cientistas descubram detalhes de como as células reais funcionam e explicar mais sobre suas origens e história evolutiva.