Um cemitério de guerreiros germânicos do século VII d.C. revela características interessantes deste grupo - Aventuras no Conhecimento

Últimas

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

Um cemitério de guerreiros germânicos do século VII d.C. revela características interessantes deste grupo

Este capacete restaurado foi encontrado entre os túmulos de misteriosos guerreiros de alta patente que viveram no sul da Alemanha durante o século VII dC Créditos: Landesmuseum Wurintemberg

Um cemitério de guerreiros germânicos de 1.400 anos encontrado sem querer por trabalhadores que estavam fazendo uma obra em 1962, foi analisado a nível de DNA por arqueólogos do Instituto Max Planck e revelou características interessantes sobre este grupo.

Ao todo neste cemitério foram encontrados 13 corpos, dentre eles 10 adultos, um bebe e duas crianças, além de esqueletos de cavalos e outros animais.
A análise de DNA revelou que os guerreiros medievais eram surpreendentemente cosmopolitas, com alguns nascidos localmente e outros vindos de partes distantes da Europa. Uma possibilidade, embora não comprovada, é que alguns desses forasteiros eram reféns infantis. 

Cinco dos mortos estavam diretamente relacionados entre si, mas sete não estavam relacionados. Três pessoas estavam enterradas no mesmo túmulo - geralmente uma indicação de que o falecido pertencia à mesma casa - não estavam relacionadas. O DNA de um sugeriu o norte, leste e central da Europa, enquanto os outros dois tinham DNA apontando para uma origem do sul da Europa, possivelmente o Mediterrâneo. Quando os pesquisadores analisaram os isótopos químicos dentro dos dentes desses indivíduos - marcadores bioquímicos que podem identificar onde uma pessoa foi criada - eles descobriram que apenas um dos dois provavelmente cresceu na região de Niederstotzingen. 
Isso sugere que  recebiam estrangeiros em suas casas.

Este pente decorado, esculpido em um chifre, foi encontrado no túmulo de um guerreiro em Niederstotzingen, Alemanha. Créditos: Landesmuseum Wurintemberg

Uma explicação para essa visão aparentemente cosmopolita: a tomada de reféns. Se alguns dos mortos tivessem sido trazidos para o norte como reféns menores, eles teriam sido criados como guerreiros por suas tribos adotivas. No entanto, eles também podem ter sido peões nas negociações intertribais quando as alianças são colocadas em questão.

Um mistério provavelmente permanecerá sem solução por algum tempo: como os guerreiros morreram. Os corpos não apresentam sinais óbvios de trauma fatal ou doença. Como o local em Niederstotzingen havia sido ocupado quando a peste mortal de Justiniano varreu a Europa, alguns se perguntaram se os guerreiros teriam morrido da doença. No entanto, os pesquisadores não encontraram marcadores de DNA que combinem com a bactéria da peste Yersinia pestis, deixando os mortos com esse segredo intacto.