Pegadas humanas de 13 mil anos encontradas no Canadá podem pertencer aos primeiros norte-americanos - Aventuras no Conhecimento

Últimas

sexta-feira, 30 de março de 2018

Pegadas humanas de 13 mil anos encontradas no Canadá podem pertencer aos primeiros norte-americanos


Pegadas de pessoas que viveram 13 mil anos atrás foram descobertas na costa oeste do Canadá, que segundo cientistas podem pertencer aos primeiros colonos norte-americanos.

Pesquisadores do Instituto Hakai e da Universidade de Victoria, no Canadá, escavaram locais ao longo da costa da Ilha Calvert, na Colúmbia Britânica, onde no final da última era glacial o nível do mar estava de dois a três metros mais baixo do que é hoje.

Os arqueólogos descobriram 29 rastros humanos no sedimento, cuja datação por carbono mostrou ter 13.000 anos de idade. Medidas e fotografias aprimoradas os ajudaram a identificar as pegadas de três pessoas diferentes, que pareciam pertencer a dois adultos e uma criança, andando descalças.

As descobertas indicam que os humanos estavam presentes na costa oeste da Columbia Britânica quando o mundo emergiu da última era glacial. Eles acrescentam um número crescente de evidências de que as pessoas viajaram por uma rota costeira para se mudar da Ásia para a América do Norte na época.

Acadêmicos acreditam que geleiras gigantes bloquearam grande parte da água da Terra durante a última era glacial, afundando o nível do mar de modo que uma enorme ponte de terra do tamanho da Polônia, chamada Beringia, conectou a ponta leste da Rússia ao Alasca. trecho de mar chamado Estreito de Bering.

A ponte permitia que as pessoas atravessassem a pé para a América do Norte e eventualmente alcançassem o que hoje é a Colúmbia Britânica, no Canadá. Até então, ambos provavelmente estavam livres da habitação humana.

Agora, grande parte da costa do Pacífico do Canadá é coberta por florestas densas e só pode ser acessada por barco, o que dificulta a busca de evidências arqueológicas que possam apoiar a teoria de que os humanos viajavam ao longo da costa.

Mas os autores do artigo disseram que mais escavações provavelmente revelariam mais pegadas humanas na área, o que ajudaria a reunir os padrões de assentamentos humanos na costa da América do Norte.