segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Por que é tão difícil lembrar o nome das pessoas?

Memória não funciona como arquivo, mas sim como uma rede de associações

Quantas vezes nos pegamos diante de uma pessoa que acabamos de conhecer e logo em seguida já esquecemos seu nome, mesmo depois de uma longa conversa? É um problema que aflige um dos meus leitores, Dan, e o que me inspirou a escrever este artigo.

A resposta para esse mistério envolve aprender algo fundamental sobre a natureza da memória. E também oferece uma solução que pode ajudar a evitar situações constrangedoras.
Para começar, é preciso reconhecer que nossa memória não é um simples arquivo com pastas separadas para cada tipo de informação.

Pelo contrário, nossa mente é associativa. Ela é construída a partir de padrões de informações interconectadas.
E é por isso que “sonhamos acordados”: se você está lendo um livro e nota que ele foi impresso em Paris, pensa logo que Paris abriga a Torre Eiffel, que, por sua vez, foi um dos lugares que sua prima Ana visitou no ano passado, e que Ana adora sorvete de morango. Então, logo vai se perguntar se Ana tomou sorvete de morango quando estava no alto da torre.

O que é Ciência?


De uma maneira simples e divertida você vai entender o que é Ciência.

Inscreva-se em nosso Canal! :-)
https://www.youtube.com/c/aventurasnoconhecimentoBr

Curta e compartilhe nossa página do Facebook:
https://www.facebook.com/aventurasnoconhecimento/

Siga-nos no Twitter:
https://www.twitter.com/AvConhecimento

#Arqueologia #Astronomia #Biologia #Ciência #História #MeioAmbiente #Paleontologia

sábado, 28 de novembro de 2015

Impacto no clima é tão profundo que podemos anular a próxima era do gelo


É um erro pensar que os efeitos climáticos de nossas emissões de carbono acabarão em poucas décadas ou séculos. Nossas responsabilidades intergeracionais penetram mais profundamente no futuro.

Neste novo período Antropoceno, a "Era dos Humanos", nós nos tornamos tão numerosos, nossa tecnologia tão poderosa e nossas vidas tão interconectadas que nos tornamos uma força da natureza em escala geológica. Ao movermos nossa civilização a base de combustíveis fósseis, estamos tanto criando quanto destruindo climas em que nossos descendentes viverão daqui dezenas, se não centenas, de milhares de anos.

Os átomos de carbono não desaparecem quando os queimamos e transformamos em dióxido de carbono. Estudos de indicadores isotópicos mostram que eles penetram no próprio tecido da vida na Terra. Alguns deles viajam pela cadeia alimentar, da atmosfera para as plantas e animais e até nossos pratos. Cerca de um oitavo do carbono em nossa carne, pelos e ossos é proveniente de chaminés e escapamentos. Nós não somos apenas uma fonte de poluição do ar –nós somos a própria poluição no ar, de modo que essa poluição também será, consequentemente, legada aos corpos de nossos descendentes.

O carbono inerte dos combustíveis fósseis dentro de nós não afeta diretamente nossa saúde, apesar do mercúrio e outros poluentes que costumam acompanhá-lo nas emissões industriais e automotivas poderem nos fazer mal. Grande parte do carbono no ar acabará se dissolvendo nos oceanos, deixando uma fração considerável no ar ate que ela, também, seja removida pelas reações químicas com carbonatos e silicatos nas rochas e sedimentos.

Cientistas mapeiam pela 1ª vez os padrões de fluidos emitidos pelos espirros


Cientistas americanos mapearam pela primeira vez os padrões criados pelos fluidos emitidos quando espirramos.
Com imagens em câmera lenta, eles descobriram com precisão como o fluxo de saliva e catarro se espalha.
Segundo os pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos, o fluxo é expelido em camadas, rajadas, bolsas e cordões que parecem feitos de contas.
É importante entender este processo pois ele determina o tamanho final das gotículas, fator importante na forma com que o espirro espalha germes.
O objetivo final da pesquisa é criar modelos e ajudar a controlar esta contaminação.


O trabalho foi liderado por Lydia Bourouiba, do MIT. Ela disse que vários estudos já tinham explorado as nuvens criadas por espirros, mas os resultados eram variáveis pois o primeiro estágio do processo nunca foi bem compreendido.


sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Arqueólogos encontram quatro túmulos pré-incas no Peru

Escavações ocorreram em um bairro residencial de Lima

Enquanto vasculhavam um velho cemitério em forma de pirâmide localizado em um bairro residencial de Lima, capital do Peru, arqueólogos encontraram quatro túmulos que datam de mais de mil anos atrás. Os especialistas acreditam que o local tenha sido utilizado pelo povo Ichma para depositar os restos mortais de três homens e uma mulher que teriam vivido em algum momento entre os anos 1000 e 1450, quando a civilização Inca se tornou dominante nos Andes e a antiga etnia começou a desaparecer.

“Essas são as quatro primeiras tumbas da cultura Ichma. Nós achamos que ainda podemos encontrar mais”, disse a arqueóloga Isabel Flores, diretora do programa e do museu Huaca Pucllana que pesquisa o local há três décadas. Segundo Flores, o achado confirma a presença histórica dos Ichmas na região de Lima e faz do distrito o único do Peru com uma história conhecida que remonta a mais de 1500 anos.

Esse povo dominava a região costeira central antes do advento dos Incas. Os restos mortais foram encontrados sentados e olhando na direção do mar. Envoltos em tecidos e outros materiais naturais, os esqueletos foram enterrados junto de oferendas como cerâmicas e ferramentas de tecelagem. Apenas em Lima, existem cerca de 350 “huacas”, palavra em quíchua que se refere aos complexos cerimoniais anteriores à colonização espanhola.

Fonte: Galileu por Phys

Tardígrados: grandes ladrões de DNA


O minúsculo mas quase indestrutível tardígrado é um ser muito especial: grande parte de seu DNA é adquirido a partir de organismos alheios, o que pode explicar sua grande capacidade de sobrevivência, estimam os cientistas.

Estes microrganismos, também chamados ossos de água, vivem em todas as partes do mundo.
Com suas oito partes, estes animais que não medem mais do que 0,5 milímetros, se movem muito lentamente e de forma muito desajeitada.
Adaptam-se com grande facilidade a seu ambiente e podem sobreviver em temperaturas extremas.
Mesmo depois de passar dez anos em um congelador a -80°C é capaz de começar a se mover novamente 20 minutos após ser descongelado.

Quando sequenciaram o genoma destes microrganismos, cientistas da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill se surpreenderam ao descobrir que 17,5% - quase uma sexta parte - de seu DNA provinha de organismos alheios.
Na maioria dos animais, apenas 1% de seu genoma contém DNA de outros organismos.
Com oito por centro do DNA alheio, acreditava-se que o recorde era detido pelos microscópicos rotíferos.

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Nasa acredita ter resolvido mistério sobre megaestrutura ‘alienígena’ no espaço

Ilustração mostra uma estrela atrás de um cometa fragmentado; observações sugerem que esse seja o motivo dos misteriosos padrões de luz da estrela KIC 8462852

Uma estrela enigmática emitindo misteriosos padrões de luz motivou cientistas a sugerir, no mês passado, a possibilidade de vida alienígena naquele local.

Um deles chegou a relacionar o comportamento estranho e incomum da estrela, que lembrava um "enxame de megaestruturas", a uma possível civilização de ETs.
A Nasa (agência espacial americana) vinha monitorando a estrela havia quatro anos, chamada KIC 8462852, e identificou padrões estranhos de luminosidade em 2011 e em 2013.

Agora, achados recentes da agência apontam para a hipótese de que a aparência da estrela provavelmente seja causada por uma família de cometas viajando em uma órbita longa e rara em torno dela.
À frente da família haveria um enorme cometa, que teria bloqueado a luz da estrela em 2011, como foi detectado pela missão Kepler da Nasa.

Depois, em 2013, o restante da família, fragmentos de cometas de diferentes tamanhos, teriam passado novamente em frente à estrela e bloqueado sua luz, motivando os padrões luminosos misteriosos.

Por que alguns tubarões têm cabeça em forma de martelo?

"Martelos" evoluíram há apenas 20 milhões de anos, dizem cientistas

Tubarões-martelo se beneficiam do formato de suas cabeças para nadar melhor. Ou para lidar com presas. Talvez tenham melhor visão. Ou será que tem algo a ver com uma melhor detecção de sinais elétricos ou odores?

A resposta correta? Todas acima.

Para começar, não existe apenas uma espécie de tubarão-martelo. Zoólogos identificam pelo menos oito tipos diferentes de peixe que têm a cabeça achatada.
Se você acha que as cabeças deles não se parecem tanto com as ferramentas usadas para bater pregos, os cientistas concordam: eles descrevem o formato muito mais como semelhante ao dos aerofólios de carros.

E se trata de uma inovação evolucionária relativamente recente. Se os primeiros tubarões surgiram há pelo menos 450 milhões de anos, há evidências de que os oceanos passaram a ser habitados pelos "martelos" há apenas 20 milhões de anos.

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Por que Marte vai ter anéis como os de Saturno?

Phobos é um acumulado de de escombros que ficam unidos devido a uma capa externa de material mais sólido

Cientistas americanos previram que a maior lua de Marte, Phobos, se despedaçará e que os fragmentos resultantes formarão um anel em torno do planeta nos moldes dos que circulam Saturno.
Em um estudo divulgado na revista especializada Nature Geoscience, os pesquisadores, da Universidade de Berkeley, relatam que Phobos se aproxima de Marte e estimam que a lua será destruída em 20 a 40 milhões de anos.

Phobos orbita a apenas 6 mil quilômetros acima da superfície de Marte, é a lua mais próxima de um planeta em todo o Sistema Solar. A Lua fica a 400 mil quilômetros da Terra, por exemplo.
A gravidade do planeta está atraindo a lua, que avança cerca de dois metros a cada cem anos, segundo a Nasa, a agência espacial americana.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

7 conceitos 'simplificados' da Física


Uma obra que trata de mecânica quântica, partículas elementares, arquitetura do cosmo e buracos negros, entre outros temas de física teórica, está há meses na lista de livros mais vendidos na Itália.

Em Sete Breves Lições de Física (publicado no Brasil pela Ed. Objetiva), o professor Carlo Rovelli resume de modo simples os principais conceitos da ciência contemporânea, desde a teoria da relatividade geral de Albert Einstein, passando pelas descobertas do astrofísico inglês Stephen Hawking, até a provável extinção da espécie humana.

"A maior parte dos livros de física são escritos para quem já é apaixonado pelo assunto e quer saber mais. Por isso, pensei num livro para quem conhece pouco ou nada sobre a matéria. Poupei os detalhes e concentrei-me no essencial", disse o autor.
"É como escrever poesia: quanto mais se tira, mais bonita ela fica."

Nascido em Verona, no norte da Itália, e atual responsável pelo centro de pesquisas sobre gravidade quântica da Universidade Aix-Marseille, na França, Rovelli explica que o ensaio não trata apenas de física, mas de temas relacionados à natureza humana.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Como pombas podem ajudar a detectar câncer de mama

Nível de precisão das pombas nos testes foi de 99%

Pesquisas recentes apontaram que pombas teriam a capacidade de identificar tecido canceroso em mamografias e imagens digitalizadas.

Um estudo, divulgado na publicação científica Plos One, apontou que pombas acertaram 99% dos casos.
As pesquisas, lideradas pelo professor de patologia Richard Levenson, da Universidade da Califórnia, demonstraram que estas aves são capazes de distinguir entre tecido saudável e tecido canceroso.
Em um dos experimentos, a equipe de Levenson apresentou 144 imagens em preto e branco e em cores a oito pombas. Após cada imagem, a ave deveria optar por uma tela azul ou amarela para indicar a qual categoria o tecido pertencia - saudável ou doente.

Cada acerto foi recompensado com comida. No caso de erro, as pombas seguiam vendo imagens. Em duas semanas, a precisão aumentou de 50% a 85%. Para evitar que as aves pudessem identificar as imagens por memorização, novas foram intercaladas.

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Seis coisas que você provavelmente não aprendeu na escola sobre a África

Reinos de Benim produziam obras em bronze há mais de mil anos; muitas estão em museus britânicos

Kilombo, assim, com "k", era um acampamento de guerra dos jagas, um povo africano que vivia onde hoje fica Angola. O catolicismo foi introduzido na Etiópia quase ao mesmo tempo que na Europa.
Coisas assim, que você nunca aprendeu sobre a África, ou aprendeu errado – o que dá quase no mesmo –, estão na lista abaixo, elaborada a pedido da BBC Brasil pela historiadora Marina de Mello e Souza, coordenadora do NAP (Núcleo de Apoio à Pesquisa Brasil-África) da USP.

Ela é professora do Departamento de História da universidade e autora, entre outros livros, de Reis Negros no Brasil Escravista e África e Brasil Africano, vencedor do prêmio Jabuti de melhor livro paradidático em 2007 e detentor do selo “altamente recomendável” da Fundação Nacional do Livro Infanto-Juvenil.

Confira a lista, elaborada às vésperas do Dia da Consciência Negra:

Até 2050 haverá 30% menos ursos polares


A população de ursos polares, ameaçados pelo aquecimento global por causa do derretimento da calota de gelo do Ártico, vai diminuir em mais de 30% ao longo dos próximos 35 ou 40 anos - alertou nesta quinta-feira a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN).

Especialistas estimam que existam entre 22.000 e 31.000 ursos polares do mundo (Estados Unidos, Canadá, Noruega, Groenlândia e Rússia), de acordo com a IUCN, que atualiza regularmente seus relatórios sobre a flora e fauna ameaçadas do mundo.
De acordo com a organização, estudos mostram que "há uma forte probabilidade de que uma redução de mais de 30% da população de ursos polares nos próximos 35-40 anos está registrado" pela perda de habitat devido ao aquecimento climático, a maior ameaça para a sobrevivência desta espécie.

Cientistas descobrem mutação que torna bactérias imbatíveis por antibióticos

Pesquisa identificou um gene que torna bactérias infecciosas, como a E.coli, altamente resistentes à 'última linha de defesa humana' contra esses organismos

O mundo está no limiar de uma "era pós-antibiótico", alertam cientistas após a descoberta de bactérias resistentes a medicamentos da última linha de defesa humana contra infecções.
Um estudo divulgado na revista científica Lancet identificou, em pacientes e animais na China, bactérias que resistem à colistina, um potente antibiótico.
Os autores concluem que essa resistência pode se espalhar pelo mundo, trazendo consigo a ameaça de infecções intratáveis.

Especialistas afirmam que esse desdobramento precisa ser visto como um alerta mundial.
Se bactérias se tornarem completamente resistentes a tratamentos - o chamado "apocalipse antibiótico" -, a medicina pode ser lançada novamente em uma espécie de Idade Média.
Infecções comuns voltariam a causar mortes, enquanto cirurgias e tratamentos de câncer, que apostam em antibióticos, ficariam sob ameaça.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

O planeta com ventos mais rápidos que o som (e temperatura de 1.200ºC)

Uma ilustração do HD 189733b, um dos exoplanetas mais estudados pelos astrônomos

Pesquisadores britânicos descobriram um exoplaneta no qual os ventos sopram a uma velocidade de 8.690 quilômetros por hora, sete vezes acima da velocidade do som, e com temperatura ambiente de 1.200 graus.

O HD 189733b fica a 63 anos-luz da Terra, fora do Sistema Solar, na constelação Vulpecula. Ele foi descoberto em 2005, mas apenas agora os cientistas da Universidade de Warwick conseguiram observar o clima no planeta.
"Esta é o primeiro mapa meteorológico de fora do nosso Sistema Solar. Já sabíamos que havia vento em exoplanetas, mas nunca conseguimos medir e mapear diretamente um sistema meteorológico", afirmou Tom Louden, do Grupo de Astrofísica da universidade britânica.

Os ventos no HD 189733b são 20 vezes mais velozes dos que os mais rápidos já registrados em nosso planeta.
A medição da velocidade foi feita graças a observações do telescópio Harps, no observatório La Silla, no Chile.

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Par de proteínas pode ser bússola de certos animais


Um par de proteínas, através da ligação em conjunto, seria capaz de encontrar a direção do campo magnético, tal como o faria a agulha de uma bússola, de acordo com um estudo publicado nesta segunda-feira na revista Nature Materials.

"Pela primeira vez uma bússola biológica capaz de detectar o campo magnético foi identificada", anunciou o biofísico Can Xie da Universidade de Pequim e co-autor do estudo.
Os cientistas concordam há vários anos sobre o fato de que muitos animais - incluindo aves migratórias, pombos, atum ou baleias - podem detectar o campo magnético e, assim, encontrar o seu caminho, especialmente durante a migração.

A Terra é um ímã gigante que gera um campo magnético cuja intensidade e direção variam de acordo com a latitude e a longitude. Detectar esse valores ajuda a se localizar sobre a superfície da terra.
Mas como os animais sentem o campo magnético permanece um mistério.
"Os animais usam vários sentidos para perceber o mundo que nos rodeia", explicou Can Xie.
"Os mecanismos moleculares da visão, da audição, do paladar e do olfato e do tato são bem conhecidos, mas outros ainda são misteriosos".


domingo, 15 de novembro de 2015

Universidade peruana cria técnica que usa plantas para gerar eletricidade

Uma universidade do peru criou uma técnica que usa plantas para gerar eletricidade. EFE/Santiago Barco.

As plantas tornaram-se uma alternativa limpa e renovável para enfrentar a falta de energia elétrica na parte da floresta amazônica no Peru graças a uma invenção que aproveita seu potencial para iluminar as casas de uma das regiões mais pobres do país.

O programa "Ilumina la Selva - Planta Lámpara" ("Ilumine a Selva - Planta Lâmpada", em tradução livre) foi criado pelos pesquisadores da Universidade de Engenharia e Tecnologia de Lima (UTEC) e gera duas horas de luz por dia por meio de uma bateria que recolhe e transforma em energia elétrica os nutrientes liberados na terra por uma planta média durante a fotossíntese.

"O projeto nasceu com o objetivo de fornecer uma fonte de luz elétrica limpa às pessoas através dos recursos de seu entorno", afirmou à Agência Efe o responsável pela pesquisa e professor da UTEC, Elmer Ramírez.

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Como os pinguins conseguem se manter aquecidos?

Pinguins-imperadores aguentam temperaturas inferiores a -20ºC

Pinguins-imperadores são alguns dos grandes batalhadores da natureza. Eles conseguem aguentar o frio do inverno da Antártica, quando as temperaturas podem ser inferiores a -20ºC.

Para não congelar até a morte, eles permanecem bem unidos em grupos, o que permite que conservem o calor e se abriguem de ventos intensos.
Mas parece que esses grupos praticamente compactos podem ser eficientes até demais na tarefa de manter os pinguins aquecidos.

Esses grupos de movimentam de forma constante. Normalmente, os pinguins que estão na borda externa do bolo acham um caminho para ir para o meio do agrupamento.
Esse comportamento é fácil de entender: os pinguins do lado externo têm que enfrentar o frio do vento antártico, sem a proteção dos outros.

Ao mesmo tempo, os pinguins que estão no centro do grupo ficam com calor e de vez em quando precisam sair para tomar um ar.

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

A travessia do Mar Vermelho e outras passagens dos Dez Mandamentos que a ciência explica

Cientistas investigam há décadas se episódios bíblicos de fato ocorreram

Uma das principais figuras religiosas do mundo, o profeta Moisés e sua história fundamentam há séculos a fé de bilhões de pessoas – e intrigam cientistas em igual medida.

A Bíblia diz que Moisés foi escolhido por Deus para liderar a saída dos hebreus do Egito, onde eram escravos, rumo à terra prometida de Canaã. Após o reino ser atingido pelas dez pragas, o faraó Ramsés 2º admite sua libertação, pedida por Moisés.

Durante o êxodo, um dos momentos mais marcantes, segundo o relato bíblico, é a abertura do Mar Vermelho pelo profeta para que seu povo fugisse da perseguição do faraó, que havia se arrependido de sua decisão. É nesta jornada que Moisés recebe de Deus as tábuas dos dez mandamentos.
Após vagar 40 anos no deserto, os hebreus chegam a seu destino, mas Moisés falece no fim do caminho, depois de avistar Canaã ao longe.

Esta história está na base não só do Cristianismo, como também do Judaísmo, e Moisés também é reconhecido pelo Islamismo e outras religiões.
Ela também inspirou diversas interpretações artísticas no cinema, no teatro e na televisão. Entre as produções mais recentes, está o filme Êxodo: Deuses e Reis (2014), dirigido por Ridley Scott. Atualmente no ar, a novela Os Dez Mandamentos, da TV Record, vem atraindo o interesse do público brasileiro e obtendo altos índices de audiência para a emissora.

De forma inédita, o folhetim foi líder de audiência na Grande São Paulo durante a exibição de todo o capítulo em que Moisés abre o Mar Vermelho, na última terça-feira, com pico de 31 pontos no Ibope e média de 28,1 pontos (cada ponto equivale a 67 mil domicílios), tornando-se o programa mais visto no país neste dia.
Estes resultados fizeram a Record anunciar uma segunda novela bíblica para substituir a atual produção e uma continuação de Os Dez Mandamentos para o próximo ano.

Mas seria o texto bíblico ficção ou um reflexo de fatos históricos? Seus acontecimentos têm correspondência em registros históricos desta sociedade antiga? Quais evidências foram encontradas em investigações científicas realizadas ao longo das últimas décadas?

10 parasitas capazes de controlar a mente de seus hospedeiros

Algumas das espécies mais arrepiantes do planeta são especialistas em conseguir o que querem. 

Conheça dez delas:

1 - 'Ophiocordyceps unilateralis' (ou 'fungo da formiga zumbi')

Fungo desorienta formiga para que ela se aninhe em local propício para reprodução

Formigas são seres com grande capacidade de orientação, criando caminhos eficientes quando buscam alimentos. Mas nas florestas do Brasil, da Tailândia e da África, as espécies do gênero Camponotus perdem seu rastro por causa do fungo parasita Ophiocordyceps unilateralis.

Quando um esporo desse fungo contamina uma formiga, ele passa de três a nove dias se desenvolvendo dentro dela. Quando pronto para completar seu ciclo de vida, o fungo manipula o inseto até ele se afastar da segurança de seu grupo, sem enxergar direito por onde vai, vagando como um zumbi.

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Conheça a startup que quer curar doenças ao editar seu DNA

Genética: empresa espera começar um ensaio clínico dentro de 2 anos para tratar uma rara doença que causa cegueira

Uma startup chamada Editas Medicine quer começar a editar genes do corpo humano em 2017. O objetivo é erradicar e evitar doenças usando a técnica.
Os primeiros ensaios clínicos, que devem ser realizados dentro de dois anos, serão para tratar uma rara doença que causa cegueira, a Amaurose Congênita de Leber (ACL). O projeto foi anunciado pela CEO da Editas, Katrine Bosley, durante conferência em Massachusetts.

Com sede em Cambridge, Estados Unidos, a companhia foi fundada em 2013 por especialistas das áreas de biologia, genética e engenharia de proteínas. Entre os co-fundadores está Feng Zhang, do MIT (Massachusetts Institute of Technology). O físico e químico é detentor da patente da CRISPR, uma técnica de edição de DNA que promete causar uma revolução sobre o assunto.

A CRISPR foi desenvolvida há três anos. Ela permite “editar” genomas de uma maneira rápida, simples e barata. Ela poderá ser usada em DNA animal ou vegetal. Entre seus benefícios está o tratamento para doenças causadas por genes danificados, como os que causam a ACL.

Astrônomos identificam objeto mais remoto do Sistema Solar

O V774104 está três vezes mais distante que Plutão

Astrônomos identificaram o objeto mais distante no Sistema Solar: observações do telescópio japonês Subaru revelaram o corpo, que deve ser gelado, a 15,5 bilhões de quilômetros do Sol, cerca de três vezes mais longe do que Plutão.

O objeto foi catalogado com o nome de V774104 e, segundo estudos iniciais, teria entre 500 e mil quilômetros de extensão.
Agora os cientistas terão que rastrear o planeta anão durante um ano para descobrir qual é a forma e o tamanho de sua órbita em torno do Sol.

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Maior lua de Marte está em processo de destruição, segundo cientistas da Nasa


Fobos, a maior das duas luas de Marte, está sendo vítima da força da gravidade que a aproxima do "planeta vermelho" em um ritmo de dois metros a cada cem anos, o que fará com que acabe se fragmentando em um período de 30 milhões a 50 milhões de anos.

As longas e superficiais fissuras que podem ser vistas em Fobos são possíveis sinais antecipados de uma falha estrutural que acabará por destruí-la, de acordo com um estudo elaborado por cientistas da Nasa e apresentado nesta terça-feira na Reunião Anual da Divisão de Ciências Planetárias da Sociedade Astronômica Americana em National Harbor, em Maryland (EUA).
Fobos é a lua que orbita mais perto de Marte - a cerca de 6 mil quilômetros de distância. Além disso, de todas as luas do Sistema Solar, é a que fica mais próxima de um planeta.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Nasa identifica possíveis 'vulcões de gelo' em Plutão

Wright Mons, um dos dois possíveis "vulcões de gelo", foi localizado ao sul da planície de Sputnik

Dois possíveis "vulcões de gelo" foram identificados na superfície de Plutão.

Eles foram localizados em imagens enviadas pela sonda New Horizons, que passou pelo planeta-anão em julho.
As montanhas têm alguns quilômetros de altura e dezenas de quilômetros de diâmetro.
Enquanto os vulcões da Terra expelem rocha derretida, os de Plutão – se é isso mesmo que eles são – liberariam uma mistura gelada, parcialmente derretida, de substâncias como água, nitrogênio e metano.
O time responsável pela missão ainda precisa fazer mais análises para confirmar a descoberta.
Informações sobre a composição dos materiais que compõem o terreno local podem ajudar na tarefa.

Descoberta convincente

A New Horizons ainda não enviou todas as informações registradas durante o sobrevoo a Plutão. Até agora, apenas cerca de 20% de suas observações chegaram até a Terra.
Se o crio-vulcanismo for comprovado, será uma incrível descoberta. A ocorrência do fenômeno já havia sido sugerida em vários outros corpos do Sistema Solar exterior, mas sem nada convincente ser detectado.

domingo, 8 de novembro de 2015

Arqueólogos australianos descobrem teatro de 2.000 anos no Chipre


Uma equipe de arqueólogos australianos descobriu no Chipre um teatro construído no século III a. C., a estrutura mais antiga deste tipo jamais encontrada na ilha mediterrânea, segundo o departamento de antiguidades local.

"A equipe australiana descobriu o maior teatro do Chipre: uma estrutura utilizada (...) para espetáculos durante mais de seis séculos e meio, de 300 a. C. até sua destruição durante o terremoto do ano 365", declarou esta fonte em um comunicado publicado na sexta-feira.
Os arqueólogos da Universidade de Sydney realizaram suas escavações na localidade da antiga cidade de Nea Pafos (sudoeste).

10 perguntas de ciência que as crianças fazem - e os adultos não sabem responder

Questionamentos feitos por crianças podem assustar, mas não são tão complexos assim...

Há uma pergunta básica que a maioria dos pais teme: como nascem os bebês? Talvez por isso, muitos se preparam para respondê-la anos antes de as crianças estarem preparadas para fazê-la.

Mas essa é apenas uma das milhares de dúvidas que intrigam os pequenos.
E quando as perguntas são sobre temas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática, 83% dos pais não têm a mais remota ideia do que dizer, segundo uma pesquisa feita pelo IET (Instituto de Engenharia e Tecnologia) no Reino Unido com mais de mil pessoas com filhos de 4 a 12 anos.

As questões que esses pais dizem não ter conseguido responder não são necessariamente profundas, mas sim básicas, como "por que o céu é azul" ou "por que os gatos têm rabo e os peixes, pestanas".
Desconhecer a resposta é só uma parte do problema: dois terços dos entrevistados reconheceram ter respondido de forma errada para não admitir sua ignorância sobre o tema.
E 61% disseram ter usado artimanhas para se esquivar dessas pequenas mentes inquisidoras.

sábado, 7 de novembro de 2015

O animal que é imune ao câncer

Ratos-toupeiras-pelados nunca apresentaram tumores em décadas de observações

O câncer é algo comum no reino animal. E para algumas espécies, a taxa de mortalidade é semelhante àquela apresentada entre os seres humanos que sofrem da doença.
Nossos cães e gatos são um exemplo de bichos que podem apresentar diversas formas de câncer, e estão em risco se são fumantes passivos, por exemplo.

Mas animais selvagens também são afetados. Muitos demônios-da-Tasmânia, um marsupial endêmico da Austrália, sofrem com tumores faciais devastadores que passam de uma espécime a outra pelo contato físico.
A poluição dos oceanos também representa um problema. Uma população de leões-marinhos da Califórnia é conhecida por apresentar câncer urogenital, em parte por causa disso.

No estuário do rio São Lourenço, no Canadá, o câncer de intestino é a segunda causa mais comum de morte de belugas. E, apesar do mito de que tubarões são imunes ao câncer, eles podem desenvolver o melanoma.
Mas há exceções. Alguns poucos animais não apresentam câncer com frequência – e outros, nunca. Entender por que isso acontece pode nos ajudar na prevenção e no tratamento dessa doença.

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Qual o poder do cérebro? Menino com 'poder telepático' intriga cientistas


Uma das áreas com maior número de perguntas a serem estudadas da ciência ganhou mais uma dúvida. Trata-se de um menino que, como está sendo noticiado nos Estados Unidos, está intrigando a neurociência por conta de “poderes telepáticos”.

Trata-se do pequeno Ramses Sanguino, que mora na Califórnia, nos Estados Unidos. A curiosidade em torno da criança começou a partir do momento em que ela conseguia revelar números que sua mãe mantinha escondidos em sigilo.
O fato intrigante foi só mais um dos que rondam a vida do pequeno norte-americano. Ainda de acordo com sua mãe, Nyx, ele aprende atualmente, aos cinco anos, nada menos do que sete idiomas diferentes e resolve equações matemáticas complicadas.

Duas novas espécies de anfíbios extintas são descobertas no Brasil


A espécie Timonya annae era um animal de 40 centímetros que, nas palavras do NHM, "parecia um cruzamento entre uma salamandra mexicana moderna e uma enguia"

Duas espécies de anfíbios extintas foram descobertas na região nordeste do Brasil junto aos restos do réptil mais antigo da América do Sul, anunciou nesta quinta-feira (5) o Museu de História Natural de Londres (NHM, em inglês).
Os dois anfíbios, similares às modernas salamandras, viveram há 278 milhões de anos e seus fósseis foram encontrados por uma equipe internacional que incluía pesquisadores da instituição londrina e colegas do Brasil e da Argentina, entre outros países.

A revista científica Nature Communications publicou nesta quinta-feira um artigo com os resultados da pesquisa.
Os fósseis foram achados no estados do Piauí e Maranhão e se encontram agora preservados na Universidade Federal do Piauí, em Teresina.
"Esta descoberta preenche uma importante lacuna geográfica em nossa compreensão sobre a evolução e adaptação dos anfíbios", explicou o Museu Natural de Londres em um comunicado.

NASA apresenta explicação sobre a mudança do clima em Marte


Dados coletados pela sonda MAVEN, lançada em novembro de 2013 justamente para estudar a atmosfera marciana e entender o que aconteceu com ela no passado, confirmaram que o grande responsável pela dissipação da atmosfera de Marte é o vento solar. 
Composto por prótons e elétrons carregados que se desprendem do Sol e viajam pelo espaço a cerca de 1,6 milhão de quilômetros por hora, essas partículas que carregam campos magnéticos podem gerar campo elétrico ao passar pelo planeta vermelho. Isso acaba acelerando os íons da atmosfera superior e os lança para o espaço.

Mais do que definir o processo, a Nasa também revelou informações mais específicas sobre ele: a ação do vento solar faz com que 100 gramas de gás sejam perdidos por segundo. “Como o roubo diário de algumas moedas de um caixa, a perda se torna significativa com o tempo”, disse em comunicado Bruce Jakosky, investigador principal da missão e pesquisador da Universidade do Colorado. As medições da sonda também revelaram que a dissipação é significativamente mais intensa durante tempestades solares, o que leva a crer que a taxa era bem maior há bilhões de anos, quando o Sol era mais jovem e mais ativo. A teoria explica o porquê de o clima marciano ter mudado tão radicalmente.

A sonda MAVEN que começou suas atividades científicas há cerca de um ano também está estudando outras formas de perda dos gases, como através da colisão de íons ou do escape de átomos de hidrogênio. “Entender o que aconteceu com a atmosfera de Marte vai informar nosso conhecimento sobre a dinâmica e evolução de qualquer atmosfera planetária”, afirmou John Grunsfeld, astronauta e administrador associado do Diretório de Missões Científicas da Nasa.

Assista a simulação que representa esta explicação:


terça-feira, 3 de novembro de 2015

Cientistas encontram uma junção colossal de galáxias

A MOO J1142+1527 está a 8,5 bilhões de anos-luz de nós

Astrônomos descobriram, com a ajuda do Telescópio Espacial Spitzer, da NASA, uma junção de galáxias em uma parte remota do universo. Localizado a 8,5 bilhões de anos-luz, o grupo forma a maior estrutura já encontrada a essa distância.

Esses grupos são formados por dezenas de milhares de outros que contêm bilhões de estrelas. As junções ficam ainda maiores a cada vez que adquirem novos membros. 

Como a luz demora para chegar até nós, conseguimos ver objetos distantes como eles eram no passado. No caso da gigantesca junção de galáxias em questão (nomeada de Massive Overdesen Object, MOO J1142+1527), por exemplo, a vemos como ela era 8,5 bilhões de anos atrás, antes da Terra ser formada. 

Virada Científica 2015 - Instituto Butantan e USP


A equipe do Aventuras no Conhecimento participou da Virada Científica 2015 promovida pela USP.

Neste vídeo, apresentamos um pouco do que encontramos no Instituto Butantan e também na USP, confira! :-)

A Virada Científica foi criada com o objetivo de tornar o universo da ciência e da tecnologia mais próximo da sociedade paulista. 
Promovida pela Universidade de São Paulo (USP), em parceria com o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação, a organização e concepção de sua segunda edição, em 2015, fica a cargo da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU).


Obs. O Instituto Butantan é aberto para visitação durante todo o ano, clique aqui e confira no site oficial.

Inscreva-se em nosso Canal do YOUTUBE:

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Interfase - Divisão Celular - Ciclo Celular - BIOLOGIA


No ciclo celular é possível distinguir duas etapas, a interfase (subdivida em G1, S e G2) e o período de divisão celular (mitose ou meiose).

A Interfase

É a fase em que a célula não está se dividindo, mas, está em intensa atividade se preparando para o processo de divisão celular.
A interfase abrange três períodos: G1, S, e G2. (G significa intervalo - do inglês GAP) e S corresponde a síntese.

- Na fase G1

Nesta fase não ocorre a duplicação (síntese) do DNA. É produzido moléculas de RNA que vão para
o citoplasma, onde promoverão a síntese de proteínas. A célula cresce em volume e torna-se grande, com o dobro das proteínas iniciais.

- Na fase S

Ocorre a autoduplicação do DNA dobrando a quantidade de DNA no interior do núcleo. Depois disso, a célula está pronta para dividir em duas novas
células, que serão idênticas.

- Na fase G2

Nesta fase, terminada a síntese de DNA, reinicia a produção de RNA, formando mais proteínas com um novo período de crescimento celular. A célula
entra em uma situação de desequilíbrio entre superfície e volume que obriga a célula a iniciar o processo de divisão.

Visite nosso CANAL no Youtube:

domingo, 1 de novembro de 2015

Você conhece seus dentes?


Como máquinas processadoras de alimentos, nossos dentes partem os alimentos em pequenos pedaços e permitem através da mastigação, que sejam engolidos facilmente.

Não é difícil perceber que são de tipos diferentes... Mas para que serve cada um deles?

Os formatos dos dentes são diferentes por que as tarefas que têm que executar também são diferentes. Quando crianças, temos 20 dentes de leite e, quando adultos, 32 dentes divididos no maxilar superior e inferior.

Incisivos: Ficam na parte da frente do maxilar e atuam como cortadores. A ponta do incisivo é fina e afiada para auxiliar nesta função.

Caninos: Também a frente, são longos e pontiagudos. Assim, rasgam alimentos como a carne.

Pré-molares e molares: Estão na lateral do maxilar e são os principais responsáveis pela mastigação pois trituram os alimentos. Esta ação, junto com a salivação permite que possamos engolir o que ingerimos.

Nos humanos chega um momento em que os dentes param de crescer, é claro. Mas em alguns animais como os roedores, os dentes podem crescer tanto que podem atrapalhar os animais caso não tenham a dieta adequada.

Prof. Carla Reis
Bióloga