quarta-feira, 8 de abril de 2015

Nasa: até 2025 encontraremos vida fora da Terra

Lua Europa, do planeta Júpiter: uma das principais apostas dos astrônomos para a existência de vida fora da Terra

Encontrar vida fora da Terra é apenas questão de tempo. Até 2025, teremos indicações sólidas de vida alienígena e, até 2045, provas definitivas de sua existência. A afirmação foi feita na terça-feira pela cientista chefe da Nasa Ellen Stofan, em um painel de debate de pesquisadores da agência sobre a existência das chamadas zonas habitáveis, isto é, planetas, luas e asteroides contendo água líquida fora da Terra - condição indispensável para a vida.

"Nós sabemos onde buscar. Nós sabemos como buscar. Na maioria das vezes, nós temos tecnologia e estamos na direção de implantá-la. Então, eu acho que estamos no caminho [de encontrar vida alienígena]", afirmou Ellen. Outro participante do painel, Jeffrey Newmark, concordou: "Definitivamente, não é uma questão de se, mas de quando".
Ao se referirem a ETs, os cientistas da agência pensam em formas de vida primitivas, não em seres que viajam em naves espaciais. "Não estamos falando de homenzinhos verdes, mas de pequenos micróbios", afirmou Ellen Stofan.

Descobertas recentes - Nos últimos anos, descobertas animaram os cientistas na busca de vida fora da Terra. Em março, pesquisadores da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, anunciaram que a lua Enceladus, de Saturno, tem um oceano de água quente. Em janeiro, três novos planetas situados fora do Sistema Solar foram descobertos a partir de dados obtidos pelo telescópio espacial Kepler, da Nasa. Um deles está a uma distância de sua estrela que permitiria a existência de água líquida em sua superfície.

Em novembro, a Nasa divulgou imagens detalhadas de Europa, uma das luas de Júpiter. Um pouco menor do que a Lua da Terra, o satélite é considerado por muitos pesquisadores como a principal aposta para abrigar vida fora da Terra, devido ao extenso oceano que se encontra abaixo da superfície congelada deste corpo celeste. A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) tem planejada para 2022 uma missão para explorar Júpiter e três de suas maiores luas, entre elas Europa.

Os principais candidatos a Terra 2.0:

1) Kepler-438b e Kepler-442b


Candidatos a explonetas mais parecidos com a Terra já descobertos, eles orbitam estrelas anãs vermelhas, menores e mais frias do que o Sol. Enquanto a órbita do primeiro é de 35 dias, o Kepler-442b completa uma órbita em sua estrela a cada 112 dias. Com diâmetro apenas 12% maior do que o do planeta azul, o Kepler-4386 tem 70% de chance de ser rochoso, afirmam os pesquisadores, enquanto o outro, cerca de 30% maior do que a Terra, tem 60%.

2) Kepler-186f


A 500 anos-luz da nossa galáxia (cada ano-luz equivale a 9,46 trilhões de quilômetros) e orbitando a zona habitável de uma estrela anã, esse é o único planeta a ter o mesmo tamanho da Terra. Com isso, os cientistas estimam que ele seja composto de rochas, ferro, água e gelo e tenha uma atmosfera parecida com a do mundo onde vivemos. Além disso, ele tem um movimento de rotação semelhante ao nosso, o que garante uma temperatura bem distribuída em todas as suas faces. Essa soma de características indica que ele pode ter água na forma líquida, um dos fatores fundamentais para a existência de vida sobre sua crosta.

3) Kepler-62e


Descoberto em abril de 2013, está na zona habitável da estrela Kepler 62, um pouco menor e mais fria que o Sol. Estar na zona habitável significa a presença provável de água. Ele fica a 1.200 anos-luz da Terra e tem tamanho 60% superior ao do nosso planeta. Sua órbita é de 122 dias e os cientistas estimam que ele pode ser rochoso, como Marte, ou formado de oceanos.

4) Kepler-22b


Localizado a 600 anos-luz da Terra, tem 2,4 vezes o raio do nosso planeta e está bem no meio da zona habitável de uma estrela muito parecida com o Sol. Foi encontrado em 2011 e demora 290 dias para dar a volta ao redor de sua estrela, o que faz com que, possivelmente, tenha as mesmas condições do nosso mundo.

5) Tau Ceti e


Trata-se do planeta na zona habitável da estrela Tau Ceti, que fica na constelação da Baleia, a 12 anos-luz do nosso Sol, e é muito semelhante a ele. Tem cerca de cinco vezes a massa da Terra e os cientistas ainda não sabem se sua composição é rochosa ou gasosa, como os planetas gigantes.

Fonte: Veja