Exorcismo: sintomas psiquiátricos não são provas do sobrenatural - Aventuras no Conhecimento

Últimas

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Exorcismo: sintomas psiquiátricos não são provas do sobrenatural

Cartaz de “Possessão 2”, filme de 2012 (Foto: reprodução)

Em meados de julho foi divulgada, sem muito alarde, a notícia de que o padre romeno Daniel Corogeanu, solto depois de ter sido condenado a sete anos de cadeia pelo sequestro e assassinato, em 2005, de uma freira, havia sido forçado a fugir do vilarejo onde pretendia fundar um novo monastério.
A vítima do crime, irmã Irina Cornici, morrera depois de passar cinco dias amarrada a uma cruz, sem água ou comida, numa tentativa de expulsar o “demônio” de seu corpo: uma versão hardcore do ritual de exorcismo. Irina tinha sido diagnosticada com esquizofrenia, mas padre Daniel acreditava que ela estava possuída e que “não se pode expulsar o diabo com pílulas”. Se as ações do sacerdote romeno foram excessivas e não-autorizadas – a Igreja Ortodoxa o expulsou depois do ocorrido –, as crenças que o levaram a esses extremos são bem comuns.

O exorcismo está na moda, diz reportagem recente da BBC, notando que, na última década, pelo menos um filme sobre o tema saiu de Hollywood a cada ano. E em maio, Roma sediou uma conferência internacional sobre a prática. Em reportagem sobre o evento, o jornal Washington Post destacou a percepção de que o papa Francisco é o mais ortodoxo em relação à existência do Diabo como uma entidade sobrenatural (e não, digamos, uma metáfora para o mal no coração humano) desde Paulo VI, que morreu em 1978.
O fato de irmã Irina ter um diagnóstico de esquizofrenia é emblemático: a ligação entre doença mental e “possessão” já era notada por Hipócrates, o pai da medicina. Ao longo dos séculos, problemas que hoje são diagnosticados e tratados pela ciência médica, como epilepsia ou Síndrome de Tourette, foram considerados sinais da presença do tinhoso.

Outros fenômenos psicológicos, como conversão – quando o estresse mental gera sintomas físicos, incluindo tiques e movimentos involuntários – ou pressão de grupo, que pode levar a pessoa a fazer “role-playing”, desempenhando o papel que a comunidade (sua congregação religiosa, por exemplo) espera dela, oferecem explicações completamente naturais para supostas “possessões” que não chegam a configurar quadros de doença mental. Isso quando o domínio satânico não é uma fraude pura e simples, simulada por um “endemoniado” em busca de atenção.
Algumas teologias, ao supor que todos os problemas de saúde são, em última análise, causados por infestação demoníaca, simplesmente ignoram, na prática, o conceito de doença mental ou distúrbio psicológico. Outras, como o catolicismo romano, embora reconheçam a existência de distúrbios mentais, insistem na ocorrência de um resíduo de possessões “reais”.

Trata-se de uma posição, para dizer o mínimo, difícil de sustentar racionalmente – e, como o caso de Irina e outros semelhantes mostram, perigosa. Os exemplos de possessão que aparecem em livros de padres católicos exorcistas, como os superstars José Antonio Fortea e Gabriele Amorth, geralmente soam mais como a descrição de sintomas psiquiátricos, ou de mero “role-playing”, do que como prova do sobrenatural.

Fonte: Galileu