Células humanas adultas são clonadas pela primeira vez - Aventuras no Conhecimento

Últimas

quinta-feira, 24 de abril de 2014

Células humanas adultas são clonadas pela primeira vez

Colônia de células-tronco embrionárias obtidas através da clonagem de uma célula pertencente a uma mulher portadora de diabetes tipo 1. Pela primeira vez, cientistas demonstraram ser possível gerar células-tronco com embriões produzidos com o uso de células humanas adultas.

Os cientistas tentam clonar células humanas desde que a ovelha Dolly foi clonada, em 1996. Agora, utilizando a mesma técnica, os pesquisadores anunciaram que finalmente tiveram sucesso com células humanas adultas.
Segundo Robert Lanza, coautor da pesquisa, foi demonstrado, pela primeira vez, que é possível retirar células da pele de um homem de 35 anos ou de um idoso de 75 anos e usar o DNA para produzir tecidos compostos por células exatamente iguais. A pesquisa foi publicada na revista Cell Stem Cell.

A técnica foi usada com sucesso em 2013 em células de crianças, mas para produzir tecido em laboratório capaz de ajudar no tratamento de doenças como Alzheimer, os cientistas precisavam saber se a técnica também funcionaria com células adultas.

“Estou feliz de saber que nosso experimento foi comprovado e se mostrou autêntico” disse Shoukhrat Mitalipov, biólogo pesquisador da Universidade de Ciências e Saúde do Oregon, líder do estudo de 2013.

A pesquisa confirmou que utilizar um óvulo humano de qualidade é fundamental para o processo. Os cientistas substituíram o DNA original de um óvulo não fertilizado pelo DNA de um doador para, em seguida, cultivar as células em laboratório. As células-tronco resultantes eram uma cópia exata das células do doador e podem se transformar em diversos tipos de tecido.
Apesar de a clonagem completa de um ser humano ainda ser uma realidade distante, a pesquisa pode suscitar preocupação no meio científico. Paul Knoepfler, da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, declarou à NPR que “um cientista desonesto certamente poderia fazer mau uso desse tipo de tecnologia”.