Teresina, no Piauí, foi coberta pelo mar há mais de 270 milhões de anos - Aventuras no Conhecimento

Últimas

domingo, 25 de novembro de 2012

Teresina, no Piauí, foi coberta pelo mar há mais de 270 milhões de anos

Estudo mostra a existência do mar no Parque Nacional da Floresta Fóssil.
É a primeira vez que cientistas encontram uma evidência direta.

Paleontólogo exibe fóssil que caracteriza a existência do mar em Teresina (Foto: Patrícia Andrade/G1)
Paleontólogo exibe fóssil que caracteriza a existência do mar em Teresina
 
Novos fósseis encontrados por pesquisadores no Parque Floresta Fóssil de Teresina, localizado na Zona Leste da cidade, dão indícios de que a capital piauiense já foi coberta pelo mar há mais de 270 milhões de anos. É a primeira vez que cientistas encontram uma evidência direta da existência do mar naquele local.
 
O paleontólogo e professor da Universidade Federal do Piauí (UFPI) Juan Carlos Cisneros explica que os fósseis encontrados em Teresina datam da época em que os continentes estavam todos juntos e era chamado de Pangeia. “Nessa época o Brasil estava conectado com a África e esta com a Europa. Desta forma, podemos dizer que esse mesmo fóssil pode ser encontrado em outros vários continentes”, explica.
 
Os estromatólitos, nome técnico dado aos fósseis, são caracterizados por minerais acumulados pelas algas no fundo do mar e que ao longo do tempo vão se acumulando e formando uma espécie de recife. Cisneros explica que nenhum processo mineral que não envolva seres vivos faz isso. “A geologia por si só não faz esse tipo de estrutura. Elas são feitas por seres vivos que vão crescendo, se acumulando e para chegar a atingir uma estrutura como essa é preciso que tenha passado por muitos anos, o que vem a explicar a idade do fóssil”, diz.

Fóssil encontrado data da época em que os continentes estavam todos juntos e era chamado de Pangeia (Foto: Patrícia Andrade/G1)
Fóssil encontrado data da época em que os continentes estavam todos juntos
 
Para o paleontólogo, a descoberta é importante porque revela que no Parque Floresta Fóssil ainda guarda muito do passado geológico de Teresina e precisa ser preservada pelo poder público. “Queremos chamar a atenção porque esse sítio paleontológico ainda tem muito potencial, muita pesquisa a ser feita e ainda não está sendo bem estudado”, destaca.
 
Algumas amostras dos fósseis foram levadas para laboratórios da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), instituição parceira na pesquisa juntamente com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS). O projeto, financiado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), vem sendo desenvolvido desde o final de 2010 e se estenderá por mais um ano.

Paleontólogo exibe outros fósseis já encontrados no mesmo parque (Foto: Patrícia Andrade/G1)
Paleontólogo exibe outros fósseis já encontrados no mesmo parque
 
Tombado como patrimônio histórico da humanidade pelo Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan), o Parque Floresta Fóssil de Teresina é considerado o maior das Américas, segundo Cisneros. Os fósseis encontrados no local possuem mais de 250 milhões de anos, sendo que a principal característica do Parque é que os troncos se apresentam em posição de vida, ou seja, na vertical.
Ainda de acordo com o paleontólogo, a Prefeitura Municipal de Teresina está elaborando um projeto em parceria com o Iphan que irá adequar o parque à visitação da população.
 
Fonte: G1