Evolução de bactérias - Aventuras no Conhecimento

Últimas

domingo, 15 de abril de 2012

Evolução de bactérias

Pesquisa sugere que resistência de microrganismos a antibióticos pode ser inata
A culpa de muitas cepas nocivas de bactérias se tornarem resistentes a classes inteiras de antibióticos costuma recair sobre o uso abusivo de fármacos e sobre pecuaristas zelosos com o trato de seus animais . Todavia, a capacidade de se defender de antibióticos pode ter origens profundas na história evolutiva das bactérias. Um novo estudo descobriu, em uma caverna de 4 milhões de anos, dezenas de espécies resistentes a antibióticos naturais e sintéticos.
Uma equipe de pesquisadores adentrou 400 m na distante e pouco visitada caverna Lechuguilla, no Novo México, para coletar amostras de bactérias. Como poucas pessoas chegaram às regiões mais profundas desde sua descoberta, em 1986, e a água da superfície leva milhares de anos para se infiltrar através da rocha densa da formação Yates até a caverna, a área é primordial para se estudar a resistência natural a antibióticos, observaram os pesquisadores ao publicar os resultados on-line em 11 de abril na revista PLoS ONE.
“Nosso estudo mostra que a resistência a antibióticos é inata nas bactérias”, relatou em declaração oficial o diretor do Michael G. DeGroote Institute for Infections Disease Research da McMaster University e coautor do novo estudo, Gerry Wright. “Pode ter milhões de anos de idade."
Membros da equipe também mostraram recentemente evidência genética de resistência a antibióticos em bactérias de solo de 30 mil anos atrás. Outros estudos descobriram sinais de resistência em seres encontrados no fundo do oceano e bem abaixo da superfície da Terra. Em ambos os casos, assim como na Caverna Lechuguilla, é improvável que microrganismos locais tenham sido contaminados por antibióticos modernos.
Wright e seus colegas descobriram que das 93 cepas bacterianas testadas, a maioria era resistente a mais de um dos 26 diferentes antibióticos. Algumas bactérias eram resistentes a mais de doze fármacos utilizados pelos médicos, como telitromicina, ampicilina e daptomicina, que atualmente é um tratamento de último recurso no combate às infecções resistentes. É improvável que as bactérias da caverna causassem danos a seres humanos, mas poderiam fornecer as características genéticas que conferem resistência.
A descoberta dificilmente exonera seres humanos da criação de condições que exercem forte pressão seletiva sobre bactérias para se tornarem tolerantes e resistentes a antibióticos. No entanto, significa que bactérias patogênicas resistentes a medicamentos poderiam implantar caracteres genéticos já em circulação no ambiente e colocá-los em uso contra o nosso arsenal farmacêutico. “A maioria dos médicos acredita que as bactérias adquirem resistência a antibióticos na clínica”, explica Wright. “A verdadeira fonte de grande parte dessa resistência são bactérias inofensivas que habitam o ambiente”, reagindo a antibactericidas naturais.
“Isto cria importantes implicações clínicas”, continua Wright, “pois sugere que existem muito mais antibióticos no ambiente que poderiam ser encontrados e utilizados para tratar infecções agora consideradas intratáveis.”
Além de padrões familiares de resistência, os pesquisadores descobriram também um novo mecanismo, sugerindo que podem existir mais surpresas referentes à resistência a medicamentos na Natureza. “Esse fato salienta ainda mais a importância do uso criterioso de antibióticos”, concluíram os pesquisadores em seu estudo.