Google+

quarta-feira, 18 de março de 2015

Por que colocamos o dedo no nariz?


É um gesto que a maioria de nós faz ou já fez, apesar de poucos admitirem. Quando somos flagrados em ação, ficamos envergonhados. E quando vemos outra pessoa repetindo o ato, a sensação é de horror. Mas será que colocar o dedo no nariz pode ser tão ruim assim?

O termo médico formal usado para descrever o gesto é "rinotilexomania". O primeiro estudo científico sobre o fenômeno data de 1995: dois cientistas americanos mandaram um questionário por correio para mil adultos residentes no condado de Dane, no Estado de Wisconsin.

Dos 254 que responderam, nada menos do que 91% admitiram ter o hábito de colocar o dedo no nariz, enquanto apenas 1,2% confessou fazer isso pelo menos uma vez a cada hora. Dois participantes relataram que a mania interferia em suas vidas. E, para a surpresa dos cientistas, outros dois disseram que faziam isso tanto que até perfuraram o septo nasal, o fino tecido que separa as narinas.

Não foi um estudo perfeito, já que apenas um quarto dos indivíduos pesquisados responderam. Mas ele mostra a possibilidade de que o gesto, apesar dos tabus culturais, é bastante comum.


Prazer

Cinco anos depois, os médicos Chittaranjan Andrade e B.S. Srihari, do Instituto Nacional de Neurociências e Saúde Mental de Bangalore, na Índia, decidiram examinar melhor o hábito de se colocar o dedo no nariz.
Eles acreditavam que alguns comportamentos são mais comuns entre crianças e adolescentes do que em adultos, por isso entrevistaram indivíduos mais jovens para saber sobre a prevalência do gesto.

O gesto causa repúdio em muitas culturas e pode provocar problemas de saúde

Os cientistas distribuíram questionários em quatro escolas de Bangalore – uma com famílias de classe mais baixa, duas de classe média e uma de classe alta – e conseguiram compilar dados de 200 adolescentes.
Quase todos eles admitiram colocar o dedo no nariz em média quatro vezes ao dia, o que não é uma surpresa, dado o estudo americano. Mas é interessante notar os padrões: apenas 7,6% dos entrevistados admitiram fazer o gesto mais de 20 vezes por dia, enquanto quase 20% disseram que praticavam o ato para aliviar coceiras ou para limpar o nariz. Outros 12% confessaram que o gesto lhes dava prazer.

E não houve diferenças entre os grupos socioeconômicos: aqui está algo que realmente une a humanidade. Mas há algumas diferenças entre os gêneros: o hábito parece ser mais comum entre meninos.

Mutilação facial

Colocar o dedo no nariz, no entanto, não é um gesto sem consequências. Um estudo realizado em 2006 na Holanda concluiu que o hábito pode ajudar na disseminação de infecções bacterianas. Segundo a pesquisa, pacientes em uma clínica de otorrinolaringologia que mantinham o ato várias vezes ao dia estavam mais propensos a apresentar a bactéria Staphylococcus aureus em suas narinas do que aqueles que não mexiam no nariz.

Em casos extremos, o gesto pode provocar problemas mais graves, como a perfuração do septo ou até dos seios paranasais.
A literatura médica revela, por exemplo, o caso de um homem de 29 anos que começou a desenvolver o hábito compulsivo de tirar os pelos do nariz. Seus médicos descreveram o problema como dentro do espectro dos distúrbios obsessivos-compulsivos e só conseguiram tratá-lo com medicamentos ansiolíticos.

Mas a maioria de nós pode descansar sabendo que nosso hábito discreto e ocasional não é uma patologia. O que é interessante, pois, contrariamente a comportamentos como roer as unhas ou arrancar os cabelos, não se trata de uma manifestação tida como obsessiva-compulsiva.
Diante de todas essas informações, por que ainda insistimos nesse hábito? Não se sabe ao certo, mas como definiu o psicólogo britânico Tom Stafford, da Universidade de Sheffield, a respeito de roer as unhas, trata-se uma combinação da simples satisfação que obtemos ao nos mantermos limpos e o fato de que nosso nariz está ali, fácil de ser alcançado, a qualquer momento.

Ou pode ser apenas um sinal de preguiça. Afinal, nossos dedos estão sempre presentes quando precisamos limpar as narinas.
De qualquer forma, é de certa forma confortante saber que alguns pesquisadores ainda estão tentando entender os motivos por trás desse hábito tão polêmico.

Fonte: BBC
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...