Fóssil de 530 milhões de anos tem o olho mais antigo já descoberto - Aventuras no Conhecimento

Últimas


NOTÍCIAS

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Fóssil de 530 milhões de anos tem o olho mais antigo já descoberto

O fóssil pertence a um trilobita - uma classe de artrópodes antiga, abundantes, que atingiu o período Cambriano e prosperou nos oceanos mundiais por mais de 270 milhões de anos.

Pesquisadores da Estônia, da Alemanha e da Escócia descreveram uma descoberta verdadeiramente excepcional - um trilobite de 530 milhões de anos tão bem preservado, que conseguiram discernir o seu olho composto a um nível celular.

"O trilobite ao qual o olho pertence foi encontrado em uma zona onde os primeiros organismos completos aparecem no registro fóssil, portanto, provavelmente é o registro mais antigo de um sistema visual já encontrado", escreveu a equipe no estudo.

O fóssil notavelmente preservado, pertencente a uma espécie chamada Schmidtiellus reetae e foi coletado em Saviranna, no norte da Estônia.


Devido às condições geológicas locais durante a era cambriana inferior, os fósseis trilobites coletados são conhecidos pelos seus exoesqueletos excepcionalmente bem preservados - uma característica que muitas vezes é perdida em achados de outras partes do mundo.

Nesse caso, o olho do fóssil trilobite foi parcialmente desgastado, revelando a estrutura interna em detalhes surpreendentes.


As unidades que compõem o olho composto de um inseto moderno são chamadas ommatidia, e os pesquisadores contaram cerca de 100 desses no fóssil. Ao contrário dos olhos de insetos modernos, essas células estavam mais espaçadas.

"Existem indícios de discos redondos semelhantes a lentes quando o olho é estudado do lado de fora, mas do aspecto interno, não podem ser feitas convexidades que possam efetuar qualquer refração da luz", escreve a equipe .
Um dos motivos para isso poderia ser que os exoesqueletos trilobites não possuíam materiais em suas conchas para formar uma lente que pudesse refractar a luz nos ambientes marinhos em que viviam.

É impressionante pensar que os cientistas podem desenterrar os restos de uma criatura que está morta há mais de 500 milhões de anos e achar que tinha basicamente os mesmos órgãos visuais que muitos animais com quem compartilhamos o planeta hoje.

Os trilobites não tiveram a acuidade visual de uma abelha moderna, mas viram bem o suficiente para evitar obstáculos e até mesmo evitar seus aterradores predadores contemporâneos .