Cientistas encontram evidências mais antigas de cães de caça - Aventuras no Conhecimento

Últimas


NOTÍCIAS

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Cientistas encontram evidências mais antigas de cães de caça

Cena de caça com um leão e dois cachorros. Mais cinco cães estão gravados atrás do leão. As esculturas foram destacadas em branco para tornar as imagens mais claras.
Maria Guagnin et al. / Revista de Arqueologia Antropológica

Ao realizar pesquisas no deserto da Arábia Saudita, cientistas do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana e do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva descobriram evidências significativas de assentamentos humanos iniciais na região. Mais de 1.400 imagens esculpidas mostram pessoas caçando com cães. Os pesquisadores acreditam que os registros têm pelo menos 8.000 a 9.000 anos de idade.

Há mais de 15.000 anos - alguns especialistas até dizem 40.000 - as pessoas começaram a domesticar lobos e, eventualmente, começaram a criar cachorros. O papel desempenhado por esses animais, no entanto, permanece envolto em mistério. As cenas descobertas pelos pesquisadores da Max Planck fornecem uma primeira visão da vida com cães na história humana inicial.

As cenas de caça são retratadas em algumas das rochas artísticas. Os homens são mostrados com arcos e flechas atirando em gazelas, antílopes, leões e leopardos que estão contidos por cães. Outras imagens mostram como os cães perseguem o pequeno grupo, como as gazelas e os ibex, mordendo-os. Esses achados permitem que os pesquisadores tirem conclusões sobre os métodos de caça dos primeiros colonizadores.

Seqüência histórica de imagens: imagens de gado foram adicionadas a uma descrição mais antiga de cães e caçadores, parcialmente cobrindo a imagem.
Maria Guagnin et al. / Revista de Arqueologia Antropológica

As escavações provam que a região foi instalada há 10.000 anos. As pessoas começaram a manter o gado aqui há cerca de 7.000 a 8.000 anos atrás. A equipe de pesquisa suspeita que as cenas de caça são anteriores a esse período, o que significa que eles têm mais de 8.000 anos de idade. Acredita-se que outras artes rupestres que mostrem manadas de vacas foram concluídas em uma data posterior. Como essas imagens cobrem parcialmente as cenas de caça e possuem características estilísticas semelhantes, a diferença de idade provavelmente não é grande.

Uma imagem recomposta de uma grande cena de caça: as coleiras, juntando dois cachorros ao caçador no lado direito, são claramente reconhecíveis.
© Maria Guagnin et al. / Revista de Arqueologia Antropológica

É notável que os cachorros sejam mantidos em coleiras nas cenas de caça. As imagens de coleiras foram encontradas anteriormente na arte egípcia antiga, que é muito mais recente. Eles provavelmente mantinham os cães perto deles para sua própria proteção, para farejar as presas ou também para treinar para a caça.

Não só as imagens revelam muito sobre como os cães foram usados, os pesquisadores também são capazes de deduzir a raça. Os animais retratados têm uma semelhança impressionante com a raça do cão de Canaã, de hoje em dia. Os cães gravados na rocha têm o mesmo físico, orelhas pontudas, cauda enrolada e até mesmo manchas características em seus casacos.

Os cães na arte rupestre pré-histórica têm uma semelhança impressionante com o cão Canaã, uma raça moderna de Israel.
© Maria Guagnin et al. / Revista de Arqueologia Antropológica