Google+

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Vida alienígena poderia prosperar em nuvens de estrelas fracassadas


Há uma novo lugar no universo onde a vida poderia prosperar - e as vistas seriam espetaculares. Flutuando sozinhos em nossa galáxia, a Via Láctea, existem aproximadamente um bilhão de estrelas anãs marrons frias, objetos muitas vezes tão maciços como Júpiter, mas não grande o suficiente para se inflamar como uma estrela. De acordo com um novo estudo, camadas de suas atmosferas superiores teriam temperaturas e pressões semelhantes as da Terra e poderiam hospedar micróbios que surfam numa corrente térmica ascendente.

A ideia expande o conceito de uma zona habitável para incluir uma vasta população de mundos que antes haviam sido desconsiderados. "Você não necessariamente precisa ter um planeta terrestre com uma superfície", diz Jack Yates, cientista planetário da Universidade de Edimburgo, no Reino Unido, que liderou o estudo.

A vida atmosférica não é apenas para os pássaros. Durante décadas, os biólogos sabem sobre os micróbios que derivam nos ventos acima da superfície da Terra. E em 1976, Carl Sagan imaginou o tipo de ecossistema que poderia evoluir nas camadas superiores de Júpiter, alimentado pela luz solar. Você poderia ter o "plâncton do céu": os organismos pequenos chamados "sinkers." Outros organismos poderiam ser com um balão, "flutuadores", que se sobem e descem na atmosfera manipulando sua pressão do corpo. Nos anos que se seguiram, os astrônomos também consideraram as perspectivas de micróbios na atmosfera de dióxido de carbono acima da superfície inóspita de Vênus.

Yates e seus colegas aplicaram o mesmo pensamento a uma espécie de mundo que Sagan não conhecia. Descobertas em 2011, algumas anãs marrons frias têm superfícies aproximadamente à temperatura ambiente ou abaixo; Camadas mais baixas seriam "confortáveis". Em março de 2013, os astrônomos descobriram a WISE 0855-0714, uma anã marrom apenas sete anos-luz de distância que parece ter nuvens de água em sua atmosfera. Yates e seus colegas começaram a atualizar os cálculos de Sagan e a identificar os tamanhos, densidades e estratégias de vida dos micróbios que conseguiriam permanecer na alta região habitável de uma enorme atmosfera de gás predominantemente de hidrogênio.

Em um mundo como esse, organismos como os micróbios na atmosfera da Terra ou até menores teriam uma chance melhor do que os flutuadores de Sagan, os pesquisadores relaram em uma próxima edição do Astrophysical Journal. Na ausência de luz solar, eles poderiam se alimentar de nutrientes químicos. As observações das atmosferas de anões marrons frias revelam a maioria dos ingredientes que a vida da Terra depende: carbono, hidrogênio, nitrogênio e oxigênio, embora talvez não fósforo.

A ideia é especulativa, mas vale a pena considerar, diz Duncan Forgan, um astrobiólogo da Universidade de St. Andrews, no Reino Unido, que não participou do estudo, mas diz que está perto da equipe. "Isso realmente abre o campo em termos do número de objetos que poderíamos então pensar que são regiões habitáveis."

Até agora, apenas algumas dúzias de anãs marrons frias foram descobertas, embora as estatísticas sugerem que deve haver cerca de dez dentro de trinta anos-luz da Terra. Estes devem ser alvos para o Telescópio Espacial James Webb (JWST), que é sensível no infravermelho onde anãs marrons brilham mais fortemente.

Fonte: ScienceMag
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...