Google+

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Uma em cada cinco espécies de plantas estão ameaçadas de extinção


Primeiro, a boa notícia: um relatório do Royal Botanic Gardens em Kew, na Inglaterra, fez a primeira avaliação bastante abrangente de plantas do mundo. Essa avaliação concluiu que, excluindo as algas, musgos, hepáticas e briófitas, há aproximadamente 390.900 espécies de plantas conhecidas pela ciência, dos quais cerca de 369.000 são plantas com flores.

E esse total parece aumentar: 2.034 espécies adicionais foram descobertas em 2015 por si só - incluindo uma árvore chamada Gilbertiodendron maximum, que cresce até 145 pés de altura nas florestas do Gabão; noventa novas espécies de Begônia; cinco novas espécies de cebola; e uma planta carnívora no Brasil.

Mas, em seguida, a má notícia: O mesmo relatório determinou que 21% dessas plantas estão em perigo de extinção.


Este último valor foi obtido através da aplicação de critérios estabelecidos pela União Internacional para a Conservação da Natureza, que compila listas vermelhas de espécies ameaçadas da fauna e da flora, bem como imagens de satélite para determinar mudanças na superfície do solo entre 2001 e 2012. O maior fator neste momento é a destruição do habitat na forma de agricultura, desmatamento, construção e desenvolvimento.

Mangues foram submetidos a mudança mais significativas, com mais de 1/4 de sua área transformada ao longo da década, transformando-se principalmente em fazendas de camarão e campos de golfe - embora as perdas tenham sido parcialmente compensadas pelo crescimento de mangues em outras áreas. Florestas de coníferas tropicais e subtropicais tiveram mudanças de quase 25%.

Espécies de plantas invasoras também são considerados um grande problema, com cerca de 5.000 espécies em todo o mundo ameaçam plantas nativas e prejudicam os ecossistemas naturais. Em uma última análise, também temos as mudanças climáticas, com mais de 10% da vegetação do planeta considerada altamente vulneráveis a estas constantes variações no clima.

O relatório, que teve uma equipe de 80 cientistas por mais de um ano para compilar estas informações, tem o objetivo de ser primeiro de uma avaliação contínua, anual, para ajudar o desenvolvimento de estratégias de conservação.

por Adriano Reis
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...