Google+

sábado, 21 de maio de 2016

Novas evidências de que a lua Europa poderia abrigar vida


A NASA descobriu mais evidências de que a lua Europa - uma das 67 luas conhecidas de Júpiter - poderia abrigar vida extraterrestre no fundo de seus oceanos gelados. A lua tem sido indicada pela NASA como "o lugar mais provável para encontrar vida em nosso sistema solar hoje", graças aos profundos oceanos salgados que provavelmente estão escondidas sob sua crosta congelada.

Agora, um novo estudo mostrou que o equilíbrio químico dos oceanos seria muito semelhante ao encontrado aqui na Terra, sugerindo que haveria uma quantidade suficiente de hidrogênio e oxigênio para a formação da vida - mesmo sem atividade vulcânica.

"Estamos estudando um oceano alienígena usando métodos desenvolvidos para entender o movimento da energia e nutrientes semelhantes ao sistema da Terra", disse o pesquisador Steve Vance, do Jet Propulsion Laboratory da NASA (JPL). "O ciclo de oxigênio e hidrogênio no oceano de Europa é um importante driver para a química dos oceanos da lua e qualquer forma de vida lá, assim como é na Terra."


Para entender como isso pode funcionar, a equipe comparou o potencial de produção de hidrogênio e oxigênio de Europa com o da Terra.

Para fins deste estudo, eles só compararam processos que não envolvem vulcanismo - atividade vulcânica é um grande propulsor natural para a formação de vida, mas a equipe queria ver se os processos existentes na Lua poderiam fazer a mesma coisa .

E, para surpresa dos pesquisadores, eles calcularam que poderiam. Publicado na revista Geophysical Research Letters, o estudo mostrou que as quantidades de hidrogênio e oxigênio seria comparável em escala e em ambos os mundos, a produção de oxigênio é cerca de 10 vezes maior do que a produção de hidrogênio.

Na Terra, os nossos oceanos produzem hidrogênio a partir do processo quando a água do mar salgada penetra nas fissuras da crosta terrestre e reage com os minerais que produzem hidrogênio e calor - dois ingredientes importantes para a vida.

O potencial para que isso aconteça na Europa foi a primeira coisa que os investigadores concentraram-se e com base em como a lua tenha arrefecido desde sua formação, eles calcularam que poderia ter fissuras em seu interior rochoso com profundamente de aproximadamente 25 km (15 milhas) - cerca de cinco vezes mais profundas do que as daqui na Terra, sendo assim, grande probabilidade para formação do hidrogênio

A equipe, então, olhou para o potencial de formação de oxigênio. Isso pode acontecer quando as moléculas de água congelada na superfície gelada dos oceanos se separaram a partir da reação causada pela radiação cósmica e a equipe prevê que esses elementos então realizam um ciclo de volta para as profundezas do oceano.


A NASA está planejando uma missão para Europa a partir de 2020 para verificar o que está acontecendo sob o gelo e confirmar se há ou não condições para vida - ou mesmo se existem os oceanos suspeitos.
Há também muitas outras questões envolvidas para formação da vida do que apenas esses dois elementos - a equipe agora quer modelar o ciclo de outros elementos importantes na Europa, como carbono, nitrogênio, fósforo e enxofre.

De qualquer forma, esta última pesquisa apenas adiciona peso ao argumento de que precisamos chegar lá mais cedo ou mais tarde para examinar as águas - de forma literal e figurativamente - por nós mesmos.

por Adriano Reis
Fonte: ScienceAlert
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...