Google+

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Astrônomos babilônios utilizavam a geometria para rastrear Jupiter

Este objeto Babilônico, com escrita cuneiforme, contém cálculos geométricos usados para rastrear os movimentos de Júpiter

Um novo estudo de tábuas babilônicas revelaram que antigos astrônomos entre os séculos 4º e 1º a.C. usavam a geometria para calcular os movimentos de Júpiter - um fato que os historiadores pensavam não havia ocorrido até o século XIV na Europa.

A descoberta foi feita pelo historiador Mathieu Ossendrijver da Universidade Humboldt, em Berlim, que traduziu e interpretou cinco tábuas de argila, encontradas no final do século XIX e mantidas no Museu Britânico, em Londres.

Até o século VII a.C., os astrônomos na Babilônia - um estado na Mesopotâmia, atual Iraque - realizavam observações detalhadas, em grande parte para a previsão astrológica. Registros cuneiformes anteriores sugeriram que os astrônomos previram onde os planetas estariam usando métodos aritméticos.


Na verdade, o trabalho de Ossendrijver sugere que os astrônomos algumas vezes empregavam pensamentos mais geométricos. As inscrições nas tábuas mostram que eles mediram a velocidade aparente diária de Júpiter (como visto da Terra) em datas diferentes em sua órbita. Em seguida, eles usaram estas velocidades e tempos para deduzir a distância que Júpiter deve ter viajado durante o período de intervenção. Esse cálculo é equivalente à noção geométrica de velocidade contra o tempo e o cálculo da área sob esse perspectiva.

Ossendrijver sabia que quatro das tábuas descreviam tais cálculos e provavelmente tinha a ver com astronomia, mas ele não tinha certeza até que encontrou e traduziu uma quinta tábua em 2014, depois de receber uma fotografia antiga de um colega. Essa tábua continha um conjunto de instruções para calcular o movimento de Júpiter usando princípios geométricos - exatamente os procedimentos previstos nas outras tábuas.

No caminho certo

Este método de cálculo "área-sob-um-gráfico" foi explicado no século XIV por um grupo de estudiosos conhecidos como as "calculadoras de Oxford", trabalhando em Merton College, em Oxford, Reino Unido. Seu resultado foi expresso em termos gráficos na mesma época pelo matemático francês, filósofo e bispo Nicolau Oresme.

Embora os babilônios nunca tenham usado gráficos ou figuras geométricas explicitamente, parece que eles já tinham apreendido o mesmo método séculos antes, diz Ossendrijver. Neste, eles foram ainda mais sofisticados do que os gregos antigos, que usavam aspectos da geometria em astronomia - eles compreendiam que os planetas viajavam em órbitas - mas não utilizavam os tipos de construções abstratas descritas pelas tábuas, que ligam a velocidade, tempo e distância.

Fonte: Nature
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...