Google+

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Europa reforça teoria do rápido desaparecimento dos dinossauros da Terra


A teoria de que o impacto de um asteroide há 66 milhões de anos matou rapidamente os dinossauros é amplamente reconhecida, mas, até recentemente, fósseis de dinossauros do último Cretáceo-- o período final da evolução dos dinossauros -- foram quase exclusivamente encontrados na América do Norte. Isso tem levantado questões sobre se declínio dos dinossauros no oeste americano e canadense era apenas uma história local.  Mas agora um novo estudo sintetiza uma enxurrada de pesquisas sobre os dinossauros europeus ao longo das últimas duas décadas. Fósseis de dinossauros do Cretáceo agora são descobertas comuns na Espanha, França, Romênia e outros países europeus.

Ao olhar para a variedade e as idades desses fósseis, uma equipe de pesquisadores liderada por Zoltán Csiki-Sava, da Universidade de Geologia e Geofísica de Bucareste, na Romênia, determinou que os dinossauros permaneceram nos ecossistemas europeus até muito tarde no período Cretáceo.

"Todo mundo sabe que um asteroide atingiu a Terra há 66 milhões de anos e os dinossauros desapareceram, mas esta história se baseia principalmente em fósseis de uma parte do o mundo, a América do Norte. Agora, sabemos que os dinossauros europeus também prosperaram até o impacto de um asteroide. Esta é uma forte evidência de que o corpo celeste realmente matou os dinossauros no auge de suas vidas, e em todo o mundo ao mesmo tempo", diz Steve Brusatte, da Universidade de Geociências de Edimburgo, na Escócia, um dos autores do relatório.

Nos Pireneus, entre a Espanha e a França, a melhor área na Europa para encontrar os últimos dinossauros do Cretáceo, fósseis de espécies que se alimentavam de plantas e carnes estão presentes.

Fonte: UOL
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...