Google+

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Como viver mais de 200 anos? Olhemos para a baleia-do-ártico


Para aprender os segredos de um envelhecimento gracioso, talvez seja bom olhar para a baleia-do-ártico, majestosa habitante das águas do Ártico que pode viver mais de 200 anos. Uma equipe internacional de cientistas, liderada pelo geneticista português João Pedro de Magalhães, da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, descodificou agora o genoma desta baleia, também conhecida por baleia-da-groelândia (Balaena mysticetus), e este trabalho já ofereceu várias pistas sobre as capacidades excepcionais de longevidade e resistência a doenças desta criatura.

Ao compararem o genoma da baleia-do-ártico com o de outros mamíferos, os cientistas descobriram diferenças nos genes da baleia ligados à reparação da molécula de DNA, ao ciclo celular, ao cancro e ao processo de envelhecimento que podem ajudar a explicar a sua vitalidade e vida longa.

“Este é o maior animal cujo genoma foi sequenciado até agora e é a primeira grande baleia a ser sequenciada”, descreveu o geneticista João Pedro de Magalhães, cuja equipe publicou os resultados deste trabalho na edição desta semana da revista Cell Reports. A equipe disponibilizou ainda os dados num site para facilitar a investigação genética sobre esta espécie.

“Através da identificação de novos mecanismos de manutenção e reparação [genéticos], esperamos aprender qual é o segredo para se viver mais tempo e de forma saudável e ser capazes de aplicar este conhecimento para melhorar a saúde humana e preservar a vida humana”, acrescentou João Pedro de Magalhães.

“A compreensão das diferenças de longevidade nas espécies é muito pobre, por isso o nosso trabalho fornece novos genes candidatos [a explicar essas diferenças] para estudos futuros”, referiu ainda o geneticista português, citado num comunicado da Cell Press, o grupo editorial que publica a Cell Reports. “O meu entendimento é que as espécies desenvolveram ‘truques’ diferentes ao longo da evolução para viverem mais tempo. Ao descobrirmos os ‘truques’ usados pela baleia-do-ártico, talvez possamos aplicar esses resultados aos humanos para combater doenças relacionadas com a idade.”

1000 vezes mais células do que nós

A baleia-do-ártico, que vive mais do que qualquer outro mamífero, está entre as maiores criaturas da Terra. Chega aos 18 metros de comprimento e é a segunda maior baleia, depois da baleia-azul. Vive mais ao norte do que qualquer outra baleia e utiliza a cabeça, que tem uma forma curva, para quebrar o gelo durante as migrações, para vir à superfície respirar. É quase toda preta, com parte da mandíbula inferior branca. Para se alimentar, filtra a água, comendo grandes quantidades de zooplâncton.

Tem também cerca de 1000 vezes mais células do que os seres humanos, o que torna a sua longevidade ainda mais interessante, já que a multiplicação celular para manter esse corpo poderia levar a mais mutações genéticas e, consequentemente, a maiores probabilidades de ocorrência de cancro. Na realidade, a baleia-do-ártico não tem um risco maior de cancro do que nós, pelo contrário.

“A baleia-do-ártico pesa entre 50 a 100 toneladas adulta e tem provavelmente 1000 vezes mais células do que os humanos, mas aparentemente tem uma resposta anti-tumoral ao nível celular que é muito mais eficiente do que a que encontramos nos humanos”, diz outro autor do artigo científico, o biólogo Mads Peter Heide-Jørgensen, do Instituto de Recursos Naturais da Gronelândia e da Universidade de Copenhaga, na Dinamarca.

Os cientistas consideram que o genoma da baleia-do-ártico também pode ajudar a explicar as adaptações fisiológicas ligadas ao tamanho corporal. João Pedro de Magalhães explicou que as células das baleias têm uma taxa metabólica muito mais baixa do que os mamíferos pequenos. E acrescentou que o estudo do genoma detectou alterações num gene específico envolvido na regulação da temperatura do corpo que pode estar relacionado com diferenças metabólicas nas células das baleias.

O genoma da baleia-do-ártico é ligeiramente menor do que o genoma típico de um mamífero, incluindo o dos seres humanos. “Falando genericamente, espécies mais complexas tendem a ter genomas maiores com mais genes, mas penso que nos mamíferos não há uma correlação entre o tamanho do corpo e o tamanho do genoma”, referiu ainda o geneticista português.

O próximo passo da equipe, segundo o comunicado, é tentar criar ratinhos geneticamente modificados – nos quais se introduzirão vários genes da baleia-do-ártico –, para assim determinar a importância desses genes na longevidade e na resistência às doenças.

Fonte: Publico.pt
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...