Google+

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Corais do Caribe podem desaparecer em 20 anos


A maioria dos arrecifes de coral do Caribe pode desaparecer em 20 anos, devido à sobrepesca do peixe-papagaio, que come as algas invasoras dos corais, e ao desaparecimento dos ouriços-do-mar, advertiram nesta quarta-feira a ONU e a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).
Atualmente, resta apenas um sexto dos arrecifes de coral nessa região do mundo, segundo estudo publicado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e a UICN.
"A maioria dos arrecifes coralinos do Caribe poderia desaparecer nos próximos 20 anos", advertem os especialistas.
De acordo com o estudo, desde a década de 1980 desapareceram mais de 50% da superfície ocupada pelos corais no Caribe.

"Os arrecifes coralinos do Caribe registraram perdas maciças desde o início dos anos 1980", devido à atividade humana, escreveram os especialistas, que citam a explosão demográfica, a sobrepesca e a contaminação costeira.
Durante muito tempo, as mudanças climáticas foram responsabilizadas pela deterioração dos corais. Mas embora continue sendo uma "séria ameaça" porque favorece a acidificação dos oceanos e o branqueamento dos corais, o que detém ou retarda seu crescimento, o aquecimento global deixou de estar na alça de mira dos especialistas.
Segundo o informe, o desaparecimento dos peixes-papagaio, devido à sobrepesca humana, e dos ouriços-do-mar, mortos maciçamente em 1983 por uma doença ainda não identificada, são as principais causas da deterioração dos corais do Caribe, pois as duas espécies se alimentam das algas que invadem os corais.

Como explicou à AFP o diretor do Programa para o Entorno Marinho e Polar da UICN, Carl Gustaf Lundin, "se há algas demais, é muito difícil restabelecer os corais", daí a necessidade de mudar a forma de gerenciar a pesca nestes países, lutando contra a sobrepesca, proibindo a pesca muito perto da costa e a pesca com rede.
Também é necessário, assegurou, que os países regularizem e reduzam a construção costeira. As autoridades devem, ainda, gerenciar melhor o tratamento de águas residuais, evitando lançá-las perto dos arrecifes.
Segundo o informe, os corais que melhor sobrevivem são os que abrigam grandes colônias de peixes-papagaio. É o caso do Setor Marinho Nacional americano, no norte do Golfo do México, nas Bermudas e em Bonaire (Antilhas Holandesas), onde as autoridades limitaram, ou proibiram a pesca que afeta esses peixes.

Outros países vão seguir esses passos. Barbuda se prepara para proibir a pesca de ouriços e peixes-papagaio e prevê transformar um terço de suas águas costeiras em reservas marinhas.
Outros arrecifes não protegidos correm grande risco, como na Jamaica, mas também na Flórida, entre Miami e Key West, nas ilhas Virgens americanas.

Fonte: AFP
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...