Google+

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Répteis marinhos que viveram há 150 milhões de anos sofriam de artrite, diz estudo

Pesquisadores da Universidade de Bristol descobriram desgaste em fóssil de um pliossauro encontrado no Sul da Inglaterra

pliossauro
Autora principal do estudo, Judyth Sassoon, identificou desgastes semelhantes à artrite humana em fóssil de réptil aquático que viveu há 150 milhões de anos

Paleontólogos da Universidade de Bristol, na Inglaterra, identificaram pela primeira vez sinais de uma doença semelhante à artrite humana em um fóssil de um réptil marinho pré-histórico. A pesquisa, publicada nesta quarta-feira na revista Palaeontology, foi feita a partir de um crânio de dois metros de um pliossauro fêmea que habitou as águas do Sul da Inglaterra, há 150 milhões de anos.
Desde sua descoberta até a realização do estudo, o fóssil vinha sendo mantido na coleção do Museu e Galeria de Arte da cidade de Bristol.
A análise do fóssil permitiu aos pesquisadores descobrir sinais de uma degeneração similar à artrite humana, que corroeu a articulação da mandíbula esquerda e provocou o seu deslocamento da parte inferior para um lado.
Judyth Sassoon, autora do artigo e pesquisadora da Universidade de Bristol, acredita que o animal tenha vivido com a mandíbula torta por muitos anos. Ela faz essa afirmação com base nas marcas encontradas na mandíbula inferior, que, provavelmente, foram causadas pelos dentes superiores durante a alimentação.
"Da mesma forma que seres humanos com idade avançada desenvolvem artrite nos quadris, essa 'senhora' desenvolveu artrite em sua mandíbula e sobreviveu com esse problema por algum tempo. Mas a fratura não curada indica que em algum momento a mandíbula enfraqueceu e eventualmente quebrou. Com a mandíbula quebrada, o pliossauro não seria capaz de se alimentar e isso provavelmente a levou à morte", explica Sassoon.
Mike Benton, coautor da pesquisa, explica que doenças semelhantes são encontradas em animais de hoje. "É possível ver esse tipo de deformidades em animais vivos, como crocodilos e em baleias cachalotes. Deve ser doloroso, mas esses animais podem sobreviver por anos com esse tipo de desgaste."
Para os pesquisadores, o caso desse pliossauro é um raro exemplo de como o estudo de doenças em fósseis de animais, ciência chamada de paleopatologia, pode ajudar os cientistas a reconstruir a história de vida e o comportamento de animais extintos e mostrar que "mesmo um jurássico matador pode sucumbir por doenças causadas pela idade avançada."

Fonte: Veja
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...